A luta de uma mãe para adquirir recursos e tratar filho com paralisia cerebral com canabidiol

Mariana, mãe do Pedro Henrique, iniciou uma vaquinha para importar o derivado da Cannabis que trata a condição especial do filho; porém a solidariedade foi maior do que ela esperava

Carol Castro 

Crédito: Arquivo pessoal  Mari e o filho Pedro Henrique.

A vida com Pedro Henrique nunca foi barata. Diagnosticado com paralisia cerebral e síndrome de West, uma forma de epilepsia, o filho de Mariana Lima e Anderson Bifon demandou cuidados especiais logo cedo.

Antes de completar dois anos, o primeiro susto financeiro: precisariam gastar até R$ 2,5 mil para comprar uma órtese para o pé.

“A pisada dele não é normal, o pézinho e o tornozelo ficam um pouco para fora. A órtese imobiliza o pé e impede uma deformidade”, conta Mariana.

Naquela época, fizeram uma vaquinha online. Arrecadaram o valor necessário e a vida seguiu. Não de forma fácil. Os três tipos de medicamentos que ele tomava não ajudavam a cessar as crises convulsivas, o Vigabatrina, Hidantal e Topiramato.

Até que apareceu uma saída: o canabidiol. Só que, mais uma vez, a grana seria um impasse. Por mês, a família teria de desembolsar R$ 1 mil para cada ampola de 10 ml.

Um pedido de ajuda

A contragosto do marido, Mariana começou uma nova vaquinha. Era a única saída.

Desempregada, a pedagoga não teria como bancar o tratamento sem a ajuda dos amigos.

“Ele foi contra porque da outra vez algumas pessoas fizeram julgamentos. Avaliaram até nosso carro. A cadeira de rodas do meu filho não cabe no porta-malas de um carro pequeno, por isso temos um carro maior”, conta Mariana.

Para evitar dor de cabeça, Mariana divulgou a vaquinha só para amigos e familiares. Pedia R$ 3,5 mil reais para iniciar o tratamento do filho com CBD. Em dois dias, bateram a meta. Só que os amigos não se contentaram.

Passaram adiante a campanha, com divulgação em redes sociais. E aí o resultado surpreendeu a família. Em quatro dias, haviam arrecadado mais de R$ 5 mil. A campanha acabou com o dobro do que pretendiam: quase R$ 7 mil.

As boas notícias não pararam por aí. Mariana soube de um medicamento da empresa Cantera que custava quase metade do preço.

“Eu aceitei na hora. Passada uma semana, me ligaram para informar que o remédio havia sido aprovado pela Anvisa”.

Pedro Henrique começou a tomar duas gotas todos os dias de manhã. Depois a dose subiu para quatro gotas. E as melhores apareceram bem rápido.

“Nas primeiras semanas, a gente já conseguiu ver uma grande melhora dele, os escapes do Pedro foram controlados. As crises cessaram bastante. Em fevereiro, ele conseguiu ficar sentado por 15 segundos sozinho. Eu até filmei e postei no meu Instagram. Viralizou. Hoje ele já está sustentado mais o pescoço”, comemora a mãe.

E os progressos estão garantidos pelos próximos meses. A família comprou seis ampolas de 10 mL
com o dinheiro da vaquinha. Em média, o garoto consome um vidro de CBD a cada 40 a 45 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *